Polícia
26/06/2018 - 04h47

Avanço de organizações como o PCC denuncia atraso do Estado


Facção usa sistema de ‘células’. Governo centraliza e cria burocracias. Modelo de gestão precisa evoluir.

 
Surgido na década de 1990 no Estado de São Paulo, o PCC mudou definitivamente o ecossistema criminal no país. A organização, depois de se expandir nacionalmente, hoje tem atuação internacional, alcançando o status de uma quase-máfia. O PCC exemplifica à perfeição o tipo de desafio moderno que o Estado brasileiro enfrenta, em diversos contextos.
 
De fato, um dos segredos do PCC parece ser a existência de uma estrutura organizacional ágil e flexível, replicável por meio de células (as “sintonias”), que são unidas por um estatuto e por regras formais e informais (a “ética do crime”).
 
A replicação dos valores da organização é garantida por mecanismos como os “tribunais do crime” e o pagamento de mensalidades pelos integrantes fora do sistema prisional. Embora com muito menos sutileza, a estrutura do PCC lembra modernos modelos de gestão como a holacracia, a sociocracia e o Agile.
 
Trata-se de modelos desenvolvidos para lidar com a crescente complexidade que caracteriza os modernos ecossistemas de negócios. Em vez de departamentos, esses modelos buscam aperfeiçoar o funcionamento de círculos ou células, que têm autonomia relativa para buscar seus objetivos, sem que cada decisão precise ser tomada ou referendada por alguém que é, na prática, isolado da execução.
 
Um dos pilares da filosofia Agile, por exemplo, é a descentralização das organizações e a abdicação da ilusão de controle que faz parte do tradicional modelo hierárquico.
 
PRESSÃO VISCERAL
 
No livro “Team of Teams”, o general americano Stanley McChrystal detalha como precisou reinventar a estrutura organizacional das forças militares que comandava no Iraque. Após anos de derrotas para a Al Qaeda, McChrystal percebeu que, para virar o jogo, precisava copiar a estrutura organizacional do inimigo.
 
Com a visceral pressão por mudança, a operação comandada pelo general McChrystal teve de abandonar suas raízes tayloristas. As forças militares americanas passaram a atuar de forma mais horizontal, gerando um modelo baseado em compartilhamento de informações, confiança e, acima de tudo, empoderamento das equipes.
 
O leitor pode estar se perguntando por que o crescimento da violência e de organizações como o PCC não produz o mesmo tipo de pressão por aqui, em que o modelo de gestão pública, desenhado para o mundo previsível do século passado, produz um Estado lento e pouco eficaz. Esse modelo, que tem DNA weberiano-taylorista, premia a mediocridade, a burocracia e a formalidade, enquanto pune severamente o erro bem-intencionado (condição para a inovação) e desperdiça o capital humano. É um modelo obcecado por controle, mas não por resultados.
 
O ponto é que não existe aqui a mesma pressão visceral por mudança sentida pela equipe do general McChrystal. O deficit de desempenho do Estado brasileiro é difuso. Isso porque a vida cotidiana acontece em micromundos e sempre é possível adaptar a rotina (até certo ponto) e, no caso da influente classe média, recorrer a soluções privadas para lidar com a deterioração da segurança pública e com a má qualidade dos serviços públicos em geral.
 
Além disso, a complexa realidade fornece matéria-prima para narrativas diversas. Enquanto os crimes de roubos e furtos no Estado de São Paulo apresentam tendência de crescimento na série de longo prazo, como já discutimos neste espaço, os homicídios caem, por motivos diversos, incluindo a mudança demográfica da população.
 
O PCC se expande, mas de tempos e tempos a polícia consegue algumas vitórias. Dessa mesma realidade, governos extraem autoelogios e analistas, recortes parciais. Como esperar que as pessoas consigam discernir a eficácia do Estado no meio de tanta cacofonia?
 
Ainda assim, no momento em que se discutem algumas vacas sagradas do serviço público, como a falta de instrumentos adequados para avaliar desempenho dos servidores, é preciso rediscutir esse defasado modelo de gestão, que é incapaz de dar respostas ágeis aos problemas sociais complexos do nosso tempo. Ameaças como o PCC, típicas de um mundo que funciona “em nuvem”, não podem mais ser combatidas por um Estado preso a um modelo de mainframe.
 
 
Poder 360
 

Comentários (0)


Fala Santos
E-mail: contato@falasantos.com.br
© 2010 Fala Santos. Todos os direitos reservados. site criado por