Sindical
10/08/2017 - 05h37

Portuários de São Sebastião fazem greve por reposição salarial e manutenção de benefícios




Portuários de São Sebastião iniciaram, na manhã desta quarta-feira (9/8), uma greve de 24 horas por reposição salarial e manutenção de benefícios. O Radar Litoral acompanhou o manifesto dos trabalhadores em frente ao portão principal do Porto. 
 
O vice-presidente do Sindaport (Sindicato de Administração Portuária), João Andrade, informou que a paralisação segue até às 7h de quinta-feira (10/8). Segundo ele, as principais reivindicações são reposição da perda salarial de 2016, mantendo o acordo coletivo. "Foram feitas diversas negociações com a empresa, assembleia com trabalhadores, mas infelizmente a empresa não ofereceu nada. O Comdec, que é o orgão fiscalizador da Companhia Docas de São Sebastião, ressalta que houve zero de aumento. Querem mudar o plano de saúde, colocar co-participação, enfim, só tirar e não dar nada".
 
De acordo com o sindicalista, a adesão é geral. Cerca de 140 trabahadores estão parados nesta quarta-feira. Durante a manhã começaram a chegar ao porto caminhões de carga viva (gado), ocasionando trânsito próximo à área portuário. "Foi programado um navio e trocaram por carga viva pra ver se quebravam a greve. Os donos da carga estão preocupados não só com o trânsito, mas com a saúde dos animais", enfatizou.
 
Outro lado
 
O Radar Litoral conversou com o chefe de Operações do Porto, Matheus Draxler Damazio, que estava no local. Ele pediu para a reportagem entrar em contato com a assessoria de imprensa. 
 
Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual dos Transportes informou que "em relação à greve que està ocorrendo nesta manhã por funcionários do Porto de São Sebastião, a Companhia Docas de São Sebastião entende que é um direito dos funcionários  discutir a questão do dissídio salarial. A CDSS esclarece que vem tomando medidas de redução de despesas desde 2014 para se adequar a atual situação econômica do país. Vale ressaltar que todas as operações portuárias estão mantidas, independente da greve". 
 
Também em nota, "a Companhia Docas de São Sebastião esclarece que, ao contrário do que foi afirmado pela Sindaport na matéria, não houve troca de carregamento de carga em função da greve. O transporte obedece uma programação. Já estava planejado, para esta quarta-feira, o embarque de cargas vivas, conforme está ocorrendo. Já o transporte de chapas de aço ocorrerá amanhã. Vale ressaltar que a operação portuária está assegurada".


Radar Litoral