Tecnologia
08/08/2018 - 04h57

Até 2021, robôs farão o trabalho de 4,3 milhões de humanos, mostra pesquisa


Software ajuda na contabilidade, faturamento, pagamentos e atendimento ao cliente.

 
Não faltam previsões sobre como a inteligência artificial, da sigla em inglês A.I., vai remodelar onde, como e se as pessoas trabalham no futuro. Mas os grandes projetos de mudança de trabalho da A.I., como carros autônomos e robôs humanoides ainda não são produtos comerciais. Ao contrário disso, uma versão mais humilde da tecnologia está fazendo com que sua presença seja sentida em um lugar menos glamouroso: o back office, departamento que não tem contato direto com clientes. A Forrester previu que até 2021, a tecnologia de automação robótica substituirá o equivalente a quase 4.3 milhões de profissionais em todo o mundo.
 
O novo software está automatizando as tarefas comuns do escritório em operações como contabilidade, faturamento, pagamentos e atendimento ao cliente. Os programas podem digitalizar documentos, inserir números em planilhas, verificar a exatidão dos registros do cliente e efetuar pagamentos com algumas teclas digitadas no computador.
 
A tecnologia ainda está em fase embrionária, mas vai melhorar, se aperfeiçoando com o tempo. Até agora, a inteligência artificial está em muitas das vezes em projetos-piloto focados em tarefas domésticas, libertando as pessoas de trabalhos penosos e não só eliminando empregos.
 
Os computadores estão principalmente observando, seguindo regras simples e tomando decisões do tipo "sim ou não", sem fazer escolhas de alto nível que exijam julgamento e experiência. "Esta é a forma menos inteligente de A.I", disse Thomas Davenport, professor de tecnologia da informação e administração da Babson College.
 
Mas os sinais apontam que tem muito mais por vir pela frente. Grandes empresas de tecnologia como IBM, Oracle e Microsoft estão começando a entrar no negócio, muitas vezes em parceria com start-ups de automação robótica. Duas das principais start-ups, a UiPath e Automation Anywhere já estão avaliadas em mais de US $ 1 bilhão. De acordo com uma pesquisa, o mercado para o software robótico quase triplicará até 2021.
 
“Este é o começo de uma onda das tecnologias da inteligência artificial que proliferarão em toda a economia na próxima década”, disse Rich Wong, sócio geral da Accel, uma empresa de capital de risco do Vale do Silício, e investidor da UiPath.
 
Quase 60% das empresas com mais de US $ 1 bilhão em receita têm programas-piloto em andamento usando automação robótica, de acordo com pesquisa da consultoria McKinsey & Company. As empresas e agências governamentais que começaram a alistar o software de automação variam. Eles incluem a General Motors, a BMW, a General Electric, a Unilever, a Mastercard, a Manpower, a FedEx, a Cisco, o Google, o Departamento de Defesa americano e a NASA.
 
A State Auto Insurance Companies, em Columbus, Ohio, iniciou seu primeiro projeto-piloto de automação há dois anos. Hoje, possui 30 programas de software que cuidam de tarefas de back-office, com uma economia estimada de 25 mil horas de trabalho humano — ou o equivalente a cerca de uma dúzia de trabalhadores em tempo integral — em uma base anual, assumindo um ano de trabalho padrão de 2 mil horas.
 
Holly Uhl, gerente de tecnologia que lidera o programa de automação, estimou que dentro de dois anos a população de robôs da empresa dobraria para 60 e suas horas economizadas talvez triplicariam para 75 mil. Segundo o gerente, cortar empregos não é o plano. A meta para a empresa é aumentar a produtividade e a receita da State Auto.
 
No caminho atual do State Auto, sua confiança parece justificada. Se a empresa atingir sua meta de 75 mil horas de economia até 2020, isso equivaleria a menos de 40 trabalhadores em tempo integral, em comparação à força de trabalho de 1.900 da State Auto. A empresa planeja crescer nos próximos dois anos. Nesse caso, a State Auto provavelmente contrataria algumas dezenas de pessoas a menos.
 
"A visão de longo prazo é ter um robô para cada funcionário", disse Bobby Patrick, diretor de mercado da UiPath. A empresa, sediada em Nova York, informou recentemente que sua receita mais que triplicou no primeiro semestre de 2018, para uma taxa anual de mais de US $ 100 milhões. Mihir Shukla, executivo-chefe da Automation Anywhere, se refere aos robôs de sua empresa como “colegas digitais”.
 
O mercado de automação de software aprimorada para A.I. está pronto para um rápido crescimento, mas essa expansão, dizem os analistas, acabará por trazer perdas de empregos. A Forrester Research estimou que a receita quase triplicaria para US $ 2,9 bilhões nos próximos três anos. Em um mercado de trabalho global dinâmico, essa previsão não deixa claro que ocorrerão 4,3 milhões de demissões. Os sistemas podem fazer umtrabalhos que não eram feitos anteriormente por humanos, e as pessoas podem passar para outros empregos.
 
A pesquisa recente examinou os empregos como pacotes de tarefas, alguns dos quais parecem prontos para serem substituídos e outros não. Assim, o impacto imediato da tecnologia se assemelhará à experiência até o momento com software robótico, mudando o trabalho mais do que destruindo empregos.


The New York Times